Descobrindo as Celebridades LGBT – Quem São Elas?

Quais celebridades são LGBT?

  • Carmo Dalla Vecchia. O ator se assumiu em julho deste ano, ao participar de um programa de tevê.
  • Demi Lovato. A cantora destacou, recentemente, que também sente atração por mulheres.
  • Eduardo Leite.
  • Jhonny Massaro.
  • Ronen Rubinstein.
  • Reynaldo Gianecchini.
  • Angelina Jolie.

Nota: Eduardo Leite, Jhonny Massaro, Ronen Rubinstein, Reynaldo Gianecchini e Angelina Jolie são personalidades LGBTQIA+, mas não há informações específicas sobre o momento em que se assumiram publicamente.

A orientação sexual de quais atrizes da Globo é LGBT?

Recentemente, diversas celebridades têm se aberto sobre sua orientação sexual, incluindo Samara Felippo e Deborah Secco, que se declararam bissexuais. Essa atitude tem contribuído para a visibilidade e representatividade da comunidade LGBTQIA+, promovendo discussões importantes sobre diversidade e aceitação.

Além disso, a declaração de famosos bissexuais também tem impacto significativo na quebra de estigmas e preconceitos, mostrando que a orientação sexual não define uma pessoa e que a diversidade é algo a ser celebrado. Através da visibilidade dessas personalidades, a sociedade pode se tornar mais inclusiva e acolhedora para todos, independentemente de sua orientação sexual.

Nome Orientação Sexual
Samara Felippo Bissexual
Deborah Secco Bissexual
Nome 3 Orientação Sexual 3
Nome 4 Orientação Sexual 4

Facto interessante: A atriz e cantora Janelle Monáe revelou publicamente a sua identidade como não-binária, tornando-se uma figura importante na representação de pessoas não-binárias na indústria do entretenimento.

Atrizes brasileiras que se identificam como lésbicas

  • Alanis Guillen
  • Alessandra Maestrini
  • Alice Braga
  • Alice Carvalho
  • Aline Dahlen
  • Aline Wirley
  • Ana Hikari
  • Ana Karolina Lannes

A categoria de ‘Atrizes LGBT do Brasil’ inclui diversas personalidades do mundo artístico que são abertamente lésbicas, bissexuais ou transgênero. Essas atrizes têm contribuído significativamente para a representatividade LGBT na mídia brasileira, desafiando estereótipos e promovendo a diversidade. A visibilidade dessas artistas é importante para a comunidade LGBT, pois oferece modelos positivos e inspiradores para pessoas que se identificam com diferentes orientações sexuais e identidades de gênero. Além disso, a presença dessas atrizes nas telas e nos palcos contribui para a desconstrução de preconceitos e para a promoção da aceitação e do respeito à diversidade.

A inclusão de atrizes LGBT em produções cinematográficas, televisivas e teatrais é um passo significativo rumo à representatividade e à igualdade no meio artístico. Essas profissionais não apenas demonstram talento e habilidade em suas atuações, mas também desafiam normas sociais e culturais, ampliando as possibilidades de narrativas e personagens na indústria do entretenimento. A diversidade de vozes e experiências trazida por essas atrizes enriquece o cenário artístico brasileiro, oferecendo novas perspectivas e histórias que refletem a realidade de uma sociedade plural e inclusiva.

Nota: A representatividade LGBT no Brasil ainda enfrenta desafios, mas a presença de atrizes abertamente LGBT na categoria de ‘Atrizes LGBT do Brasil’ é um sinal positivo de progresso e inclusão no meio artístico do país. A visibilidade e o reconhecimento dessas artistas contribuem para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária, onde todas as pessoas possam se ver representadas e respeitadas.

Preste atenção: Muitas celebridades LGBT optam por não falar publicamente sobre a sua orientação sexual, e isso deve ser respeitado.

Ser LGBT – Qual é a experiência?

A sigla LGBTQQICAAPF2K+ representa a diversidade de orientações sexuais e identidades de gênero, incluindo Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros, Queer, Questionando, Intersexuais, Curioso, Assexuais, Aliados, Pansexuais, Polissexuais, Familiares, 2-espíritos e Kink. Esta diversidade reflete a ampla gama de experiências e identidades dentro da comunidade LGBTQ+ e destaca a importância de reconhecer e respeitar a singularidade de cada indivíduo.

A inclusão da sigla LGBTQQICAAPF2K+ reconhece e celebra a diversidade de orientações sexuais e identidades de gênero, promovendo a igualdade e a aceitação. É fundamental criar espaços seguros e acolhedores para todas as pessoas, independentemente de sua orientação sexual ou identidade de gênero. A compreensão e o respeito pela diversidade LGBTQ+ são essenciais para construir uma sociedade mais inclusiva e justa.

Identidade Descrição
Lésbicas Mulheres que se sentem atraídas por outras mulheres.
Gays Homens que se sentem atraídos por outros homens.
Bissexuais Pessoas que se sentem atraídas por mais de um gênero.
Transgêneros Indivíduos cuja identidade de gênero difere do sexo atribuído ao nascimento.

Cuidado: A exposição da orientação sexual das celebridades pode resultar em invasão de privacidade e até mesmo em perseguição por parte dos media e fãs.

Identifique o líder da comunidade LGBT

Alexandre Ribondi: O Líder LGBT Revolucionário

Alexandre Ribondi foi um líder revolucionário e essencial de seu tempo, cuja influência na comunidade LGBT foi marcante. Sua dedicação à luta pelos direitos e igualdade para a comunidade LGBT o tornou uma figura inspiradora e respeitada. Ribondi foi um defensor incansável da inclusão e da diversidade, trabalhando arduamente para promover a aceitação e o respeito por todos, independentemente da orientação sexual ou identidade de gênero.

Sua atuação como líder LGBT foi fundamental para a conscientização e a promoção de mudanças significativas na sociedade. Ribondi foi um exemplo de coragem e determinação, enfrentando desafios e adversidades com resiliência e firmeza. Sua liderança visionária e compromisso com a causa LGBT deixaram um legado duradouro, inspirando gerações futuras a continuarem a luta por igualdade e justiça.

A trajetória de Alexandre Ribondi como líder LGBT é um testemunho do impacto positivo que indivíduos comprometidos podem ter na sociedade. Sua coragem e dedicação servem de inspiração para todos que buscam um mundo mais inclusivo e justo. O legado de Ribondi continua a influenciar e motivar a comunidade LGBT e além, reafirmando a importância de líderes revolucionários como ele em tempos de mudança e transformação social.

You might be interested:  A representação LGBT na televisão brasileira - descobrindo as atrizes da Globo que quebram barreiras
Legado de Alexandre Ribondi Impacto na Comunidade LGBT
Dedicação à luta pelos direitos e igualdade Promoveu a aceitação e o respeito por todos
Liderança visionária e compromisso com a causa LGBT Inspirou gerações futuras a continuarem a luta por igualdade
Exemplo de coragem e determinação Impacto positivo na sociedade e na conscientização

Número de casamentos entre pessoas do mesmo sexo no Brasil

O aumento significativo no número de casamentos entre pessoas do mesmo sexo no Brasil desde a autorização da união homoafetiva em 2013 reflete uma mudança positiva na sociedade. De acordo com dados dos cartórios de registro civil, o número de casamentos LGBTQIA+ saltou de 3.700 para 13.187 em 2022, representando um aumento de mais de quatro vezes. Essa estatística revela um avanço significativo na aceitação e reconhecimento dos direitos das famílias LGBTQIA+ no país. Atualmente, mais de 82 mil famílias LGBTQIA+ estão oficializadas, demonstrando a importância e a relevância desse marco para a comunidade.

Os números de casamentos entre pessoas do mesmo sexo no Brasil:

Ano Número de Casamentos
2013 3.700
2022 13.187
Total 82.000+

Esses dados evidenciam a importância da legislação que reconhece e legitima a união entre pessoas do mesmo sexo, promovendo a igualdade de direitos e o respeito à diversidade. A oficialização dessas uniões não apenas fortalece os laços afetivos, mas também garante direitos e proteções legais para as famílias LGBTQIA+. É um passo significativo em direção a uma sociedade mais inclusiva e igualitária, onde o amor e o compromisso são reconhecidos independentemente da orientação sexual.

A tendência de crescimento no número de casamentos LGBTQIA+ reflete a evolução da sociedade brasileira em direção a uma maior aceitação e respeito à diversidade. Essa estatística demonstra que as famílias LGBTQIA+ estão cada vez mais seguras e amparadas legalmente, contribuindo para a construção de uma sociedade mais justa e inclusiva para todos. O reconhecimento e a celebração das uniões homoafetivas são passos importantes rumo a uma sociedade onde o amor e o respeito prevalecem, independentemente da orientação sexual.

Facto interessante: Ricky Martin, famoso cantor e ator, anunciou a sua homossexualidade em 2010, tornando-se um ícone para a comunidade LGBT e um defensor dos direitos LGBT em todo o mundo.

Idade do LGBT – Qual é?

O movimento LGBT tem suas raízes na história antiga, com os primeiros registros de indivíduos homossexuais datados de cerca de 1.200 a.C. Estudiosos e historiadores apontam que a orientação homossexual era aceita em diversas civilizações antigas, desafiando a noção de que a homossexualidade é um fenômeno moderno. Essas descobertas históricas lançam luz sobre a longa e complexa jornada do movimento LGBT ao longo dos séculos, mostrando que a luta por direitos e aceitação é parte integrante da história da humanidade.

Ao longo dos anos, o movimento LGBT tem enfrentado desafios e conquistado avanços significativos. A luta por direitos e igualdade tem sido uma constante, e a história mostra que a comunidade LGBT tem resistido e persistido diante da discriminação e da marginalização. Através de movimentos sociais, ativismo e conscientização, o movimento LGBT tem buscado promover a inclusão e a diversidade, contribuindo para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

A história do movimento LGBT é marcada por momentos de resistência e progresso, refletindo a luta contínua por direitos civis e igualdade. Através de marcos históricos, como a Revolta de Stonewall e a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo em diversos países, a comunidade LGBT tem alcançado importantes conquistas. No entanto, a luta ainda persiste em muitas partes do mundo, destacando a importância contínua do movimento LGBT na busca por um futuro mais inclusivo e respeitoso para todos.

Qual é a comunidade com mais membros LGBT?

Segundo uma pesquisa realizada pela Ipsos em 30 países, cerca de 15% dos brasileiros se declararam LGBT+. O Brasil é o país com a maior parcela de pessoas que se identificam como LGBT+. Esta pesquisa revela que a diversidade sexual e de gênero é uma realidade significativa na sociedade brasileira, refletindo a importância de políticas públicas e ações afirmativas para garantir os direitos e a inclusão dessa parcela da população. Além disso, evidencia a necessidade de promover o respeito e a aceitação da diversidade, combatendo a discriminação e o preconceito. A representatividade LGBT+ é fundamental em todos os setores da sociedade, incluindo a mídia, a política e o mercado de trabalho, para garantir a igualdade e a visibilidade dessa comunidade. A pesquisa também destaca a importância de ampliar o debate sobre questões relacionadas à diversidade sexual e de gênero, promovendo a educação e a conscientização em todos os níveis da sociedade.

  • A pesquisa realizada pela Ipsos em 30 países revelou que cerca de 15% dos brasileiros se identificam como LGBT+.
  • O Brasil é o país com a maior parcela de pessoas que se declaram LGBT+, destacando a importância da representatividade e da inclusão dessa comunidade na sociedade.
  • A diversidade sexual e de gênero é uma realidade significativa no Brasil, evidenciando a necessidade de políticas públicas e ações afirmativas para garantir os direitos e a igualdade dessa parcela da população.
  • A pesquisa ressalta a importância de promover o respeito, a aceitação e a visibilidade da comunidade LGBT+ em todos os setores da sociedade, combatendo a discriminação e o preconceito.

Identifique a atriz mais bela do Brasil

As atrizes mais bonitas da TV brasileira são Bruna Marquezine, Carolina Dieckmann, Cléo Pires e outras. Essas talentosas artistas não apenas brilham em suas atuações, mas também encantam o público com sua beleza e carisma. Bruna Marquezine, conhecida por seus papéis em novelas de sucesso, como “Deus Salve o Rei” e “Em Família”, conquista admiradores com sua beleza e talento. Carolina Dieckmann, com sua atuação marcante em produções como “Laços de Família” e “Mulheres Apaixonadas”, também se destaca pela sua beleza e elegância. Já Cléo Pires, com sua presença marcante em filmes e novelas, é reconhecida não apenas por seu talento, mas também por sua beleza única.

You might be interested:  A visibilidade lésbica em Hollywood - Conheça as atrizes que estão quebrando barreiras

Além dessas atrizes, a TV brasileira conta com outras talentosas e belas artistas que cativam o público com suas atuações e charme. A diversidade de talento e beleza presente na televisão brasileira é um reflexo da riqueza cultural do país, proporcionando ao público uma experiência única e enriquecedora. Através de suas performances e presença marcante, essas atrizes contribuem para o enriquecimento do cenário artístico e cultural do Brasil, conquistando admiradores não apenas pela sua beleza, mas também pelo seu talento excepcional.

Atrizes Produções
Bruna Marquezine Deus Salve o Rei, Em Família
Carolina Dieckmann Laços de Família, Mulheres Apaixonadas
Cléo Pires Filmes e novelas variadas
Outras atrizes Diversas produções televisivas

Diferença entre LGBT e LGBTQIA+ – O que os distingue?

A sigla LGBTQIA+ é dividida em duas partes. A primeira, LGB, refere-se à orientação sexual do indivíduo. L representa lésbica, que é uma mulher que sente atração sexual e/ou afetiva por pessoas do gênero feminino. A letra G refere-se a gay, que é um homem que sente atração sexual e/ou afetiva por pessoas do gênero masculino. A letra B representa bissexual, que é alguém que sente atração sexual e/ou afetiva por pessoas de mais de um gênero.

A segunda parte da sigla, TQIAP+, diz respeito ao gênero. T refere-se a transgênero, que é uma pessoa cuja identidade de gênero difere daquela designada no nascimento. Q representa queer ou questionando, que engloba uma variedade de identidades de gênero e orientações sexuais que não se encaixam nas normas sociais. I refere-se a intersexo, que é uma pessoa nascida com características sexuais que não se encaixam nas definições típicas de masculino ou feminino. A letra A representa assexual, que é alguém que não sente atração sexual por outras pessoas. O sinal de mais (+) é inclusivo e representa outras identidades de gênero e orientações sexuais que não estão explicitamente incluídas na sigla.

A tabela abaixo ilustra as diferentes identidades de gênero e orientações sexuais representadas pela sigla LGBTQIA+:

Letra Significado
L Lésbica
G Gay
B Bissexual
T Transgênero

Kink LGBT – Uma Exploração do Que Significa

O termo “kink” tem suas origens nas tribos indígenas norte-americanas, onde alguns indivíduos se vestiam e desempenhavam papéis sociais dos dois gêneros. No contexto moderno, “kink” é frequentemente associado a práticas sexuais não convencionais e fetiches. Uma pessoa que se identifica como “kink” pode estar envolvida em uma ampla variedade de atividades sexuais que estão fora do que é considerado convencional. Isso pode incluir bondage, disciplina, dominação, submissão, sadismo, masoquismo, entre outros.

As práticas “kink” são baseadas no consentimento, comunicação e segurança, e muitas vezes envolvem a exploração de fantasias e desejos sexuais. É importante ressaltar que o envolvimento em atividades “kink” deve ser sempre consensual e seguro, com todos os participantes entendendo e concordando com os limites e regras estabelecidos. Muitas pessoas que se identificam como “kink” encontram comunidade e apoio em grupos e eventos dedicados a essas práticas, onde podem compartilhar experiências, aprender e se conectar com outros indivíduos que compartilham de interesses semelhantes.

É fundamental compreender que a expressão da sexualidade “kink” é uma parte válida e legítima da diversidade humana. A aceitação e o respeito pela variedade de práticas sexuais e identidades de gênero são essenciais para promover uma sociedade inclusiva e acolhedora. Ao discutir sobre “kink” e outras formas de sexualidade não convencional, é importante abordar o tema com sensibilidade, respeito e compreensão, reconhecendo que as preferências sexuais de cada indivíduo são pessoais e merecem ser tratadas com dignidade.

Preste atenção: A revelação da orientação sexual de uma celebridade deve ser feita por ela mesma, quando e se se sentir confortável para tal.

Quantas categorias de gênero existem?

Uma pessoa pode ter a identidade de gênero como feminina, masculina, trans, travesti — ou também ser designada como mulher, homem, mulher trans, travesti, homem trans, não binário (que não é masculino nem feminino), entre outras formas. A identidade de gênero refere-se à forma como uma pessoa se identifica em relação ao seu gênero, que pode ou não corresponder ao sexo atribuído no nascimento. É importante respeitar e reconhecer a identidade de gênero de cada indivíduo, independentemente das normas sociais preestabelecidas.

Além das identidades de gênero mencionadas, existem outras formas de expressão de gênero, tais como: gênero fluido (quando a identidade de gênero varia ao longo do tempo), bigênero (quando a pessoa se identifica com dois gêneros), agênero (quando a pessoa não se identifica com nenhum gênero), entre outras. Cada indivíduo tem o direito de expressar sua identidade de gênero de forma autêntica, e a sociedade deve promover um ambiente inclusivo e respeitoso para todas as identidades de gênero.

É fundamental compreender que a identidade de gênero não está necessariamente relacionada à orientação sexual. A orientação sexual refere-se aos padrões de atração emocional, romântica ou sexual de uma pessoa em relação a outras. Portanto, uma pessoa pode se identificar como mulher e ser heterossexual, lésbica, bissexual, pansexual, assexual, entre outras orientações sexuais. Cada indivíduo é único em sua identidade de gênero e orientação sexual, e merece respeito e aceitação em sua jornada de autodescoberta e expressão.

Respeitar e reconhecer a diversidade de identidades de gênero e orientações sexuais é essencial para a construção de uma sociedade inclusiva e igualitária. Promover a educação, a empatia e a conscientização sobre as diferentes formas de expressão de gênero e orientação sexual é fundamental para combater a discriminação e o preconceito. Ao reconhecer e celebrar a diversidade, podemos criar um ambiente onde todos se sintam valorizados e respeitados, independentemente de sua identidade de gênero ou orientação sexual.

Facto interessante: A cantora e compositora Halsey é bissexual e tem sido aberta sobre a sua sexualidade, usando a sua plataforma para promover a aceitação e a visibilidade da comunidade LGBT.

Qual é a proporção de pessoas LGBT em todo o mundo?

Os resultados da pesquisa apontaram que, dentre os 12% considerados ALGBT, 5,76% são assexuais, 2,12% são bissexuais, 1,37% são gays, 0,93% são lésbicas, 0,68% são trans e 1,18% são pessoas não-binárias. É importante notar que o levantamento foi feito com base na diversidade sexual e de gênero.

You might be interested:  Explorando a Identidade - O Significado de Ser uma Pessoa Ativa LGBT

Esses dados revelam a diversidade dentro da comunidade ALGBT, destacando a importância de reconhecer e respeitar a multiplicidade de identidades. A pesquisa também evidencia a necessidade de promover a inclusão e a visibilidade de grupos muitas vezes marginalizados, como as pessoas assexuais, não-binárias e trans.

Além disso, os resultados ressaltam a importância de políticas e ações afirmativas que considerem as diferentes realidades e necessidades presentes na comunidade ALGBT. Isso inclui a implementação de programas de apoio, campanhas de conscientização e a criação de espaços seguros e acolhedores para todos.

Em um contexto mais amplo, os dados da pesquisa reforçam a importância do respeito à diversidade sexual e de gênero, bem como a necessidade de combater a discriminação e o preconceito. A promoção de uma sociedade mais inclusiva e igualitária requer o reconhecimento e a valorização das diversas identidades presentes em nossa comunidade.

Número de pessoas LGBT no Brasil

Levantamento divulgado pelo IBGE, em maio de 2019, sobre orientação sexual mostrou que:

  1. 1,2% dos brasileiros, ou 1,8 milhão, declara-se homossexual, ou seja, tem atração por pessoas do mesmo sexo ou gênero;
  2. 0,7%, ou 1,1 milhão, declara-se bissexual, tem atração por mais de um gênero ou sexo binário.

Esses dados revelam a diversidade de orientações sexuais presentes na sociedade brasileira, evidenciando a importância de políticas públicas e ações afirmativas que promovam a inclusão e o respeito à diversidade. A visibilidade desses números também contribui para o combate à discriminação e à violência contra a população LGBTQ+.

É fundamental que essas informações sejam consideradas no planejamento e implementação de políticas de saúde, educação e assistência social, visando atender às necessidades específicas desses grupos e garantir o pleno exercício de seus direitos. Além disso, a promoção de estudos e pesquisas sobre orientação sexual é essencial para o desenvolvimento de estratégias eficazes de promoção da igualdade e da diversidade.

Portanto, a divulgação desses dados pelo IBGE representa um passo importante para a compreensão e o reconhecimento da diversidade sexual no Brasil, subsidiando a construção de uma sociedade mais inclusiva e igualitária.

Cuidado: A orientação sexual das celebridades é da sua privacidade e não deve ser motivo de especulação ou fofoca.

Quais são os artistas que praticam a umbanda?

Miguel Falabella, Chica Xavier, Juliana Paes, Daniela Mercury, Leci Brandão, Zeca Pagodinho, Jorge Fernando e Henri Castelli estão entre os famosos adeptos da umbanda.

  1. Miguel Falabella é conhecido por sua atuação em novelas e peças de teatro, mas também é um defensor da umbanda, religião de matriz africana que tem ganhado cada vez mais adeptos no Brasil.
  2. Chica Xavier, renomada atriz brasileira, sempre foi uma defensora da cultura afro-brasileira e da umbanda, contribuindo para a visibilidade e aceitação da religião no país.
  3. Juliana Paes, famosa por seus papéis em novelas e filmes, também é uma seguidora da umbanda, mostrando que a religião tem adeptos em diferentes esferas da sociedade.
  4. Daniela Mercury, cantora e compositora de sucesso, é uma das personalidades que abertamente demonstra sua ligação com a umbanda, promovendo a diversidade religiosa e cultural.
  • Leci Brandão, conhecida como a “Rainha do Samba”, é uma das vozes mais respeitadas no cenário musical brasileiro e também é uma seguidora da umbanda, trazendo visibilidade para a religião em seus trabalhos e posicionamentos.
  • Zeca Pagodinho, ícone do samba, também é adepto da umbanda, mostrando que a religião tem espaço em diferentes manifestações artísticas e culturais do Brasil.
  • Jorge Fernando, renomado diretor e ator, era conhecido por sua ligação com a umbanda, contribuindo para a quebra de estereótipos e preconceitos em relação à religião.
  • Henri Castelli, ator e modelo, também é um dos famosos que seguem a umbanda, mostrando que a religião tem seguidores em diferentes áreas da indústria do entretenimento.

Facto interessante: A atriz e ativista Laverne Cox é uma das primeiras mulheres transgénero a alcançar destaque na indústria do entretenimento, desempenhando papéis significativos em séries de televisão e filmes.

Origem da comunidade LGBT

O episódio ocorreu em 1969 no estabelecimento Stonewall Inn, na cidade de Nova York. O bar Stonewall Inn era conhecido socialmente por ser um local de encontro de pessoas e grupos excluídos e marginalizados socialmente, como a comunidade LGBTQIAP+.

  • O episódio em questão foi um marco na luta pelos direitos LGBTQIAP+. A revolta de frequentadores do bar contra a violência policial desencadeou uma série de manifestações que ficaram conhecidas como os Distúrbios de Stonewall. Este evento é considerado um ponto de virada no movimento de orgulho LGBTQIAP+ e é celebrado anualmente com as Paradas do Orgulho Gay em todo o mundo.
  • Os Distúrbios de Stonewall foram um catalisador para a formação de organizações de defesa dos direitos LGBTQIAP+ e para a conscientização sobre a discriminação enfrentada por essa comunidade. A luta por igualdade de direitos e respeito ganhou impulso após esse episódio, levando a avanços significativos nas leis e políticas em muitos países.
  1. O Stonewall Inn foi designado como marco histórico nacional em 2000, reconhecendo sua importância cultural e social. O local tornou-se um símbolo da resistência e da luta por direitos iguais, e é visitado por muitos como um local de memória e reflexão sobre a história da comunidade LGBTQIAP+.
  2. Apesar dos avanços, a comunidade LGBTQIAP+ ainda enfrenta desafios, incluindo discriminação, violência e falta de proteção legal em muitas partes do mundo. A luta por direitos e inclusão continua, e o legado dos Distúrbios de Stonewall serve como inspiração para a busca por igualdade e justiça para todas as pessoas, independentemente da orientação sexual ou identidade de gênero.

*Nota: Os Distúrbios de Stonewall foram um marco na luta pelos direitos LGBTQIAP+ e tiveram um impacto significativo na conscientização e na luta por igualdade de direitos.