Categoria: Filmes Lés

San Junipero – Episódio lésbico de #BlackMirror

Olá, Bets. Como está o caminhãozinho da vida?

Trouxe hoje para esse site amado uma dica de episódio para assistir em #BlackMirror, série original da Netflix. Você devem ter ouvido falar  – ou assistido tudo já – de Black Mirror. A série tem 3 temporadas de poucos episódios cada e que não seguem uma história. Cada capítulo é independente, você pode começar assistindo por qualquer um, sem problemas de “não entender o fio da meada”. A série foca basicamente em tecnologia, redes sociais, como nos relacionamentos com isso e seus impactos. Alguns episódios traz uma realidade que ainda não alcançamos, mas nada longe de acontecer. O que vale mesmo é o que fica pra reflexão.

san-junipero

Bom, vamos ao assunto que queremos que é o episódio lésbico. Na minha opinião uma das coisas mais queridas desse mundo de ficção sapatão. San Junipero é o 4º da 3ª temporada (se vc ainda não assistiu a série, pode começar por ele sem problemas :D).  O ep conta a história de Yorkie (Mackenzie Davis) e Kelly (Gugu Mbatha), duas lindas mulheres completamente diferentes. Elas se encontram em 1987 em San Junipero, na Califórnia em pleno clima de festa e juventude. Logo de cara, elas se interessam e o desenrolar envolvido em curiosidades tecnológicas, cronológicas e musical vai te prender na frente da tela, já ‘crushando’ esse casal e essa cidade o.O (isso gera uma loonga discussão).

junipero-3

Não vou dar spoiler mas estou aqui para conversarmos sobre, caso vocês queiram no Grupo SouBetina, no Facebook.

Celine Ramos
Baiana, feminista, negra e publicitária. Fundadora do SouBetina. Vivo na ponte-aérea Salvador-São Paulo. <3

Se The L Word voltar…

Que nossa geração de sapatinha enlouqueceu quando teve acesso a The L Word, todo mundo já sabe.

tlw

Agora saber que há uma remota possibilidade de vermos o elenco juntos trabalhando em algo que tenha a ver com essa série que nos fez entender muito sobre nós mesmas e, nos primórdios da internet, nos conectar a milhares de betinas pelo mundo nos grupos, foruns, fanfics e comunidades (saudades, orkut). Para essa notícia nós não temos maturidade.

bette-e-tina2 Continue lendo

Celine Ramos
Baiana, feminista, negra e publicitária. Fundadora do SouBetina. Vivo na ponte-aérea Salvador-São Paulo. <3

Yuri Love 3: outros sucessos e novidades animadoras

Olá, Betinas! Como vão vocês?

Dizem que um é bom, dois é ótimo, mas três é demais, porém acho que, quando se trata de conteúdos que nos representam, quanto mais, melhor. É com essa premissa que venho espalhar as boas novas: sucessos lançados recentemente – e outros que ainda virão – a respeito do amor entre mulheres em desenhos japoneses – os animes Yuri, como são denominados.

Não se esqueçam de ler os artigos Yuri Love 1 e 2 para entender melhor esse universo único da cultura nipônica.

E aqui vão as nossas atrações:

 

  • SENGOKU OTOME

Tudo começa quando Hideyoshi, uma colegial dos dias atuais – muito desastrada e pouco interessada nos estudos –, acidentalmente é conduzida para um marco histórico japonês, chamado de período “Sengoku”, época em que os clãs lutavam entre si para demarcar seu território. Nesse tempo – sem Wi-fi, nem fast-food –, Hideyoshi conhece Oda Nobunaga, uma líder forte e imponente que, por alguma razão, acredita precisar da estudante para encontrar uma armadura carmesim e dominar todo o arquipélago. O destaque aqui vai para Mitsuhide, uma guerreira inteligentíssima e tsundere (temperamental), que, secretamente, ama e admira Nobunaga, sua querida líder. Assistam até o fim, pois existem gratas surpresas neste anime, embora não haja conteúdo sexual. OBS: o único “macho” desse desenho é o cachorrinho tarado. Nesta versão do período Sengoku, só existem mulheres. Não que eu esteja reclamando, é claro…

1 Continue lendo

Celine Ramos
Baiana, feminista, negra e publicitária. Fundadora do SouBetina. Vivo na ponte-aérea Salvador-São Paulo. <3

#FilmeLes Sapatão, hora de morfar. Power Ranger Amarela é lésbica <3

O novo filme Power Ranger, que estreou aqui no Brasil dia 23 de março é mais um desses filmes que a gente vai correr pra assistir. Primeiro porque quem aqui não assistia aqueles efeitos especiais maravilhosos (SQN), dos Power Rangers. Segundo porque quem não aprendeu a tocar as primeiras notas da musica de abertura num tecladinho? (Ok, acho que esse ponto nem todo mundo hehehe). Mas terceiro e mais interessante, nesse filme a ranger amarela está saindo do armário, gente <3 <3

becky-g-power-ranger-amarilla

Quem fará a o papel de Trini, será a atriz Becky G. Segundo o diretor Dean Israelite, que falou com o The Hollywood Reporter, há uma cena onde ela está se questionando sobre problemas com o namorado, mas na verdade Trini percebe que essa questão está relacionado a uma garota e não a um garoto. É um pequeno momento, mas Israelite chama de “fundamental” para todo o filme.

“Para Trini, ela realmente está se questionando muito sobre quem é. Ela ainda não entendeu muito bem o que está acontecendo, é o que eu acho ótimo nessa cena e no que ela vai propiciar para o restante do filme é: ‘Está tudo bem’. O filme está dizendo: ‘tudo bem’ para todas as crianças que estão tentando entender quem são e querem encontrar sua tribo”

Na vida real, o primeiro Ranger Azul, o ator David Yost, que é gay, deixou a série nos anos 90 depois de enfrentar assédio por conta de sua orientação sexual. Ele elogiou essa inclusão no novo filme!

“Eles finalmente fizeram alguma coisa! Acho que muitas pessoas na comunidade LGBTQI vão ficar entusiasmadas por ver essa representação”

Agora a gente que Mulher-Maravilha, Mulher Gato, Batgirl e Arlequina e Hera Venenosa sendo beeem sapatão nos cinemas também, né nom?