TEMPO – PARTE III

Algumas horas depois.

Ficamos em segundo, mas, honestamente me sinto em missão cumprida. Eu só não queria perder para o competidor representante do senhor Joe Jan.

– Minhas meninas! – Ryan veio até o nosso encontro com um sorriso no rosto. –  Muito obrigado pela confiança que vocês depositaram em mim.

– Obrigada você, Ryan. A gente sai daqui com outra visão profissional e isso a gente deve a você. – Jane disse e todas nós concordamos.

– O que pretendem fazer agora?

– Bom, não sabemos. A gente se apegou demais uma na outra e eu vou sentir falta das meninas. – Olivia começou a chorar.

– Eu queria saber de vocês, se vocês aceitam fechar um contrato comigo de um ano, eu realmente vejo potencial em vocês e o público simplesmente ama vocês… Eu queria muito vocês cinco comigo, podem pensar se quiser.

– Bom, eu topo! – Todas olharam com espanto para mim. – Galera, se vocês não quiserem ok, mas eu realmente me sinto segura e confiante para topar essa jornada com vocês.

– Eu também. – Vero me abraçou apertado.

– Super topo. – Olivia se manifestou.

– Fechado, será maravilhoso! – Jane confirmou.

– Começamos quando? – Mia finalizou.

– Calma, estamos em Novembro. Descansem, tirem longas férias, porque em Janeiro vocês terão muito trabalho pela frente.

– Quem terá muito trabalho? –  Joe Jan entrou na sala.

– As meninas, elas são as novas contratadas do meu escritório. – Ryan disse calmamente.

– Não sabia que estava afim de jogar dinheiro fora, a não ser que você convenceu a senhorita Wada a não fazer parte. – Joe disse com um sorriso cínico

– Qual é seu problema comigo? – Chamei sua atenção.

– Olha só, ainda tem coragem de me peitar. – Tomou um pouco de sua bebida.

– Só quero saber o seu problema comigo.

– Não vou com a sua cara, já disse! – Ele se aproximou de mim.

– Você é ridículo. – Disse com todo deboche.

– Me respeite, garota. – Senti seu sangue ferver.

– Não exija respeito de quem você nunca respeitou!

– Sabe Ryan, nem pense em colocar esse grupinho na minha gravadora.

– Eu não seria tolo a esse ponto, já existem outras gravadoras interessadas – Ryan se colocou no meio de nós dois.

– Quais?

– Não lhe interessa! – Gritei tomando a frente da conversa.

– Luiza… – Mia tentou me conter.

– Luiza, sim! Eu cansei dessa palhaçada! De ouvir os comentários rudes e ter que ficar calada! Chega, ouviu bem? CHEGA de me insultar. Agora, se falar de mim, vai levar!

– Olho por olho, dente por dente. – Esse é um ditado velho no Brasil, fiquei surpresa por ouvir ele dizendo isso. – Tive o desprazer de morar na sua terra por quase um ano, inclusive no mesmo estado que o seu… Sei falar fluentemente o português, mas, quem se importa com um idioma tão insignificante¿

– Não ache que pode falar como quiser do meu país.

– Ah, eu posso sim! Vocês brasileiros são desprezíveis!

– Não mais do que você, seu boçal.

– Você está passando dos limites, menina.

– Você já passou os teus faz tempo! – Gritei mais uma vez com ele, e coloquei e apontei o dedo para seu rosto. – Eu juro que você ainda vai engolir tudo o que você disse sobre mim. Você vai assistir de camarote o nosso grupo se consagrar.

– Duvido!

– Dois anos… Daqui dois anos eu vou estar recebendo meu primeiro Grammy – Joe começou a rir. – Pode rir, mas guarde bem minhas palavras. Vou fazer você engolir elas daqui a dois anos.

– Calma, gente. – Selena entrou no meio dos dois. – Joe, sai daqui.

– Eu, Selena? – Joe parecia indignado.

– Sim você, você provocou, por favor saia. Nos vemos na festa de encerramento. – Joe saiu batendo a porta e ela virou-se para mim. – Gostei da sua postura, você foi mais profissional durante o programa do que ele. Gostei, você desabafou e mostrou que agora se ele falar algo, vai receber da mesma forma. Tô feliz com a decisão do Ryan.

– Nós também. – Mia falou. – E você dona bravinha, arrasou. Vamos lembrar disso quando estivermos recebendo um Grammy.

– Sim! – As meninas gritaram em perfeita harmonia.

– Meninas, agora é hora da festa! Ex competidores, produção, jurados… Tem uma big festa esperando por nós. Vamos? – Ryan disse animado.

– Vamos! – Nós cinco gritamos animadas.

– Vamos sim, mas, pode levar acompanhante? – Olivia se manifestou. E nós quatro olhamos para ela com uma certa estranheza. – O que é meninas! ? Quero levar uma companhia, ué!

– Quem é, hein, dona Olivia? – Jane disse toda animada.

– Vocês verão.

– Misteriosa! – Eu disse em tom de brincadeira. – Bom, vamos a festa, meninas?

– Vamos! Quero dançar até não sentir meus pés! – Veronica disse saindo na frente, levando Mia com ela.

POV MARIA

Olivia já me deu o sinal que elas estavam saindo do estádio e estavam a caminho da van que as levaria para o local da festa. Eu conversei com a Lu por mensagem. One Direction cantou na final do programa, Luiza disse que eles foram super fofos com todos, inclusive com ela.

Conheci o Ryan pessoalmente, ele que pediu para me levarem para festa, para que eu pudesse fazer a surpresa para Lu. Tô com tantas saudades da minha namorada, que não sei se vou conseguir controlar. Mas, também para que controlar? É a minha namorada! Tenho tanta saudades dela, quero tanto abraça-la e enche-la de beijo.

Recebi uma mensagem de Olivia, elas já estão aqui. Me perguntou onde estou e disse para eu ficar aqui.

– Até que enfim! – Olivia veio fazendo festa.

– Ah, Olivia! – Sai correndo para abraçá-la.

– Meu Deus, até que enfim! Uau… Você é linda, Maria!

– Pelo amor de Deus, você que é! Vocês estão bem? Como tá as meninas? Queria que vocês tivessem ganhado.

– Nós ganhamos, amiga. Meu sexto sentido me diz que nós ganhamos. Agora, vem! Tá na hora de ver seu amor. – Olivia saiu me arrastando pela festa, era meio surreal ver aquelas pessoas famosas, ali do meu lado.

Até que avistei as três meninas, Jane, Vero e Mia, quando elas me viram, elas procuravam por Luiza, que estava de costas, tentando falar no celular… E meu celular tocando na bolsa.

Olivia fez um sinal para elas ficarem caladas.

– Lu, quero te apresentar uma amiga. – Luiza foi se virando aos poucos, ainda distraída com o telefone.

– Estou tentando falar com Maria mas ela…

– Oi – Luiza ficou parada me olhando como quem não acreditasse, as quatro gritavam todas animadas com o nosso reencontro. Luiza ficou petrificada por algum tempo, enquanto eu sorria com toda a situação.

Não foi mais que dois minutos, mas parecia uma eternidade até que ela saiu do estado de choque e veio correndo me abraçar forte e me beijar.
Foi um beijo de cinema…

– Te amo, te amo, te amo, te amo, te amo, te amo. – Luiza me abraçava apertado e me girava no ar.

– Te amo muito, meu amor!

– Como? – Luiza olhou para Olivia. – Onde? Como?

– Eu vou te explicar tudo, calma… – Roubei um selinho da minha namorada. – Deixa eu dar um beijo nas outras meninas.

– Não, não quero te soltar. – Lu me segurou pela cintura.

– Amor! – As meninas começaram a rir.

– Tá bom, mas seja rápida.

Parece um sonho. Primeiro, Luiza do meu lado, me enchendo de carinhos e de beijos. Conheci todos do One Direction, eles ficaram conversando um tempão conosco, conheci Jessie J, Selena… Meu Deus, eu dancei com Selena Gomez, eu ainda não consegui processar os dados disso!

– Vamos lá fora um pouco? –  Luiza segurou em minha mão.

– Claro. – Sorri abertamente para minha namorada. – Meninas, a gente já volta! – Chamei a atenção das meninas que dançavam animadas. – Amor, eu estou amando essa festa, eu estou amando tudo. De verdade.

– Parece um sonho você aqui. – Encostamos em uma pilastra na sacada.

– Deixa eu te mostrar que sou real, vem aqui. – Roubei um beijo bem intenso da minha garota.

– É bem real. – Ela sorriu abertamente.

– Tá feliz?

– Claro, você está aqui, logo logo vou ver meus pais, meus parentes… Aqueles que eu ainda posso chamar de parentes é claro.

– Olivia me disse que, tecnicamente, vocês ganharam a competição

– Pois é, eu só sai ganhando… Eu conheci gente bacana, fiz quatro amizades que eu sei que vai ser para toda vida e descobri que posso cantar.

– Sim! Sempre disse que sua voz era linda.

– Amor, tem uma coisa que eu queria te dizer.  – Luiza ficou com a expressão séria. – Ryan nos chamou depois da final e disse que queria que nós tentássemos seguir com o grupo, teremos férias até Janeiro, Fevereiro, eu vou me mudar pra cá. Eu não sei se o grupo vai vingar, mas meu coração diz que é para tentar

– Amor, eu sei o que você mudar para cá significa.

– É eu sei. Significa não te ver todo mês, significa que vai ter dias ou noites que não vai dar para nos falarmos. Significa muita coisa.

– Sim, sim! Você está absolutamente certa, mas, sabe o que isso também significa? – Lu negou com a cabeça. – Significa que o nosso amor vai continuar o mesmo. Eu não tenho dúvidas que vocês farão história, é magico ver vocês cinco cantando!

– Queria você comigo, aqui perto de mim.

– Eu também queria, mas eu preciso terminar meus estudos, sei que aqui também tem faculdades incríveis de gastronomia, mas, eu queria fazer isso lá. Até para ficar junto dos meus pais, me entende?

– Claro. – Ela beijou minha testa, ela sabe que esse gesto derrete meu coração.

– Quando eu acabar o curso, eu pego minhas coisas e venho ficar grudada em você.

– Temos um plano. Ou melhor, temos um acordo?

– Sim! Nós temos. E ai de você se você der mole para fãs… Se levar alguma piriguete pro camarim depois do show… Luiza Wada, eu faço sushi de você! Eu terei quatro aliadas que vão me contar tudo se você pisar fora da linha! – Apertei sua bunda.

– Eu já tenho a mulher mais linda do mundo, não preciso de mais ninguém. A propósito, são quase quatro da manhã, quer sair daqui?

– Hummm te conheço bem senhorita Wada, esse olhar… Claro que quero, vamos para o hotel?

– Você que sabe. Se sairmos agora, as meninas provavelmente vão ficar, e teremos o apartamento só para nós.

– Melhor não, eu estou com tanta saudade de você que acho que não vamos descansar tão cedo. Tenho medo delas chegarem e escutar barulhos.

– Tem razão, vamos nos despedir delas.

Avisamos as meninas, elas iriam depois para casa. Combinamos de almoçarmos juntas no apartamento na manhã. Lu e eu saímos da boate juntas, pegamos um taxi direto para o hotel onde eu estou hospedada. Apesar de ser de madrugada, o movimento parecia normal. Como se fosse horário comercial, acho que Los Angeles não dorme nunca. E assim que chegamos enquanto pegava a chave do quarto, pessoas encaravam Luiza.

Até que um grupo foi mais atrevido, e chegou pedindo autografo e uma foto com Luiza. Ela ficou sem reação mas tratou todos bem, até que finalmente consegui levar ela para o quarto.

– Foi a primeira vez que você deu autografo?

– Foi… Como assim? Você acha que eu vou precisar dar mais autografo?

– Clamo amor, você vai ser famosa, vai ter paparazzis na sua cola, gente chorando por um minuto com você, meio que vocês serão o One Direction de saias e vestidos.

– Uai… – Lu ficou pensativa.

-Adoro quando você se mostra uma autentica mineira. Não tinha pensado nisso não é?

– Não.

– Sua vida vai mudar meu amor. Na verdade, já mudou.

– Não tenho uma opinião formada sobre isso. Vou deixar as coisas acontecerem. – Lu se jogou na poltrona.

– Isso. – Comecei a me despir na frente dela, fiz isso para provocá-la, e deu certo, seus olhos verdes não desviavam do meu corpo. Tirei cada peça da minha roupa da maneira mais lenta e sensual que consegui. – Vou tomar um banho.

Saí do quarto em direção ao banheiro, Luiza não tirava os olhos de mim, parecia nem respirar. Liguei o chuveiro, deixei a água cair bem sobre meu corpo, eu conheço bem minha namorada, sei que ela não vai demorar a aparecer. De costas, ouvi o barulho da porta do banheiro se abrir. Fingi não escutar, continuei… A porta do box se abriu lentamente e fechou com delicadeza.

– Eu senti tanto sua falta, minha morena. – Lu depositou um beijo em minha nuca, senti suas mãos cercando minha cintura.

– Não teve uma noite sequer que eu não pensei em você, em nós no meu quarto, fazendo amor baixinho para ninguém ouvir… Na minha mente eu te dava ordens de onde eu queria que sua boca estivesse.

– Eu tô aqui. – Ela fazia carinho no meu corpo enquanto sussurrava. – Me diz, onde você quer a minha boca?

– No meu ouvido. – Ela sabia o que tinha que fazer, e fez com a mesma maestria de sempre, sua língua percorreu cada canto do meu ouvido, com direito a pequenas mordidas. – Quero sua boca no meu pescoço. – Ela tirou o cabelo que cobria parcialmente meu pescoço, e começou a distribuir beijos e lambidas por todo meu pescoço. Eu já estava fora de mim, Luiza me provocava de todas as formas, enquanto me tirava a paz. Suas mãos subiam e desciam pela minha barriga, ela queria que eu implorasse por suas mãos em meus seios. – Por favor amor, não para… Aperta meus seios, vai! – Sem demora suas mãos apertaram meus seios, ora agressiva ora calma como brisa… Eu adoro isso em Luiza, perdi a noção do tempo, só me toquei quando ela me chamou.

– Quer minha boca onde, amor?

– Na minha boca. – Luiza me virou sem demora e me atacou em um beijo tão intenso que provavelmente meus lábios ficariam inchados. Encostei meu corpo no azulejo ainda gelado. – Quero sua boca nos meus seios. – Lu deu um sorriso sacana, e sem demora mordeu o bico do meu seio, enquanto atiçava o outro. Comecei a gemer baixinho, enquanto ela devorava meus seios.

– Quero você. – Senti seus dedos acariciando meu clitóris. –  Me diz vai, você me quer?

– Ai. –  Eu mal conseguia falar, minhas pernas ficaram bambas. É claro que eu queria, mais do que qualquer coisa no mundo.

– Diz. – A voz dela rouca, seca… Isso me mata.

– Eu te quero.

– Eu vou te foder, foder bem gostoso. – Senti minhas pernas bambearam mais ainda do modo como ela disse.  – Me diz, você quer?

– Quero, por favor. Me fode, amor – Lu me levantou pelas pernas, e me encostou na parede, senti a ponta dos dedos massageando fortemente meu clitóris. Seus dedos foram me invadindo devagar, ela gemeu comigo. Senti estocar até o fundo.

– Rebola, vai. – Fiz exatamente o que ela me pediu. – Isso! – Senti sua mão apertar mais a minha cintura, comecei a subir e descer em seus dedos, bem devagar, enquanto ela sugava meus seios. – Mais rápido, vai, quero você gozando nos meus dedos.

Não demorou muito para que eu me entregasse àquele prazer louco que se formou dentro de mim. Gemi, gritei, arranhei minha namorada e no final gozei.

Silêncio total, me agarrei a ela que me abraçava com carinho e proteção, então deixei meu corpo relaxar. A água caindo sobre nossas cabeças, meu corpo junto ao dela… Eu posso eternizar esse momento? Se tivesse como, provavelmente eu o faria.

Luiza desligou o chuveiro e me levou no colo até a cama, e me abraçou por trás.

– Descanse, amor. – Eu não queria descanso, queria ela, queria fazer ela sentir tudo o que eu acabara de sentir dentro daquele box no banheiro. Me virei para encará-la e roubei um beijo, cheio de malicia. – Amor… Não comece.

– Tem certeza que não quer que eu comece?

– É só modo de falar, claro que eu quero.

– Sabia… Você não resiste a mim.

– Não dá pra me fazer de difícil para você… Eu sou sua.

– Minha? – Subi em Luiza.

– Sempre.

– Gosto assim. – Comecei a apertar seus seios com vontade, suguei seu lábio inferior até deixa-lo inchado. Desci beijando seu corpo bem devagar, fiquei tentada em fazer paradas pelos seus seios, mas eu estava faminta pelo seu sexo. Precisava sentir na minha boca, me ajeitei no meio de suas pernas sendo assistida por ela atentamente. – Esse cheiro… Que saudades desse cheiro.

– Chupa, chupa Maria.

– Você vai gozar na minha boca, amor?

– Vou, vou. – Ela estava aflita para que eu começasse, e eu prontamente atendi ao seu pedido. – Meu Deus! Isso, isso… ah, delicia!

Passei minutos maravilhosos lambendo aquela buceta gostosa, melada de tanto prazer. Ela gozou daquele jeito que eu amo, um gemido manhoso, seu corpo quente e tremendo na minha mão.

Só assim adormecemos.

 

Continua…

TEMPO – Parte IV

 

Já leu?

TEMPO – PARTE II

TEMPO – Parte I

 

assinatura paula okamura.fw

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.